terça-feira, 27 de agosto de 2013

Uma máquina para o Dakar

 No ano de 2006, andava com a febre dos TT. Por essa razão, desenvolvi um modelo especificamente para o efeito.
 Uma carroçaria da Cursa Models servia de capota a uma mecânica toda ela desenvolvida por mim, cuja base inicial partia dum chassis do Mitsubishi Pajero do fabricante Ninco.
 Contudo, adaptava-se ali um berço independente provido de basculação e que permitia grande curso de basculação e um eixo posterior invulgarmente macio, estando o motor em posição invertida a atacar directamente ao eixo frontal, através de pinhão.
 A tracção traseira fazia-se por correias, ou seja, o sistema encontrava-se invertido relativamente ao conceito da Ninco. O sistema de ancoragem dos amortecedores frontais foi igualmente modificado, bem como ainda toda a secção frontal do chassis, de modo a permitir um novo conjunto de pilares de aperto à carroçaria e ainda o funcionamento do braço do patilhão.
 Este era feito de arame, permitindo-lhe a respectiva basculação. No entanto, aqui residiu o verdadeiro calcanhar de Aquiles deste protótipo, não se mostrando nunca suficientemente eficaz.
 Como resultado, um modelo muito macio a proporcionar grande confiança de pilotagem e até alguma eficácia dinâmica, mas com resultados verdadeiramente hipotecados, quando os obstáculos representavam subidas de grande declive. A sua tracção frontal perdia-se, não compensada nunca pela força gerada sobre o eixo traseiro.
 O conceito embora de grande interesse, viria a ser abandonado por falta de solução para os seus maiores problemas.