quarta-feira, 9 de maio de 2012

John Wyer - Porsche

Falar de John Wyer, é falar de um icónico nome associado tanto à Gulf como à Porsche como até à Ford, esta última durante os anos de 1968 e 1969 e com a Porsche, de 1970 a 1971.

Se com o construtor Norte Americano conseguiu vitoriosas presenças em Le Mans, já com a marca germânica foi em território Norte Americano com atingiu os seus intentos em Daytona.
Em 1970, John Wyer inscrevia três modelos 917 da Porsche nas 24 Horas de Le Mans, sob as distintas cores da petrolífera Gulf. Embora equipados de desenvolvimentos técnicos relativamente às máquinas de série, a sua presença nesta clássica  das resistências, acabou num verdadeiro fracasso. Dois dos seus modelos, o 21 e o 22, foram os dois primeiros modelos da marca a abandonarem a prova, com o modelo Nº21 a renunciar ao fim de 4 horas quando era segundo classificado e o Nº 22 a ter o mesmo fim na hora seguinte por acidente, quando era 20º classificado. A melhor presença coube ao Nº20, apesar de ter resultado igualmente numa desistência a sua participação. Ao fim de 12 horas, o motor acabou por ceder, quando ocupava a 4ª posição.
Já a sua participação em Daytona nesse mesmo ano, culminou com o festejo da vitória. Coube ao modelo Nº2 esse êxito, à esquerda na imagem de cima.

Para o ano de 1971, John Wyer adquire dois novos modelos cauda longa que Stutgard desenvolveu especificamente para Le Mans e repete a presença, completando a trilogia com a também mais recente versão 917KH, que sobressaía das anteriores versões pela inclusão de duas derivas verticais no capôt traseiro. Apesar de arredado da vitória, completou a mesma na segunda posição final, atrás de modelo idêntico inscrito pela "Martini Racing". Quanto às versões cauda longa, ambos desistiram, com o modelo Nº18 a fazê-lo à  14ª hora quando era sexto e o modelo Nº17 a sucumbir à 18ª hora quando ocupava também nessa altura a sexta posição da geral.
Mas Daytona viu John Wyer repetir a proeza do ano transacto e igualmente através do modelo com o dorsal 2. Se este preparador brilhou na Europa com os Ford GT40, com os Porsche viu o seu esforço recompensado na América do Norte.

Os dois vitoriosos de Daytona, não mostram grandes diferenças entre si, apesar de existirem algumas. No imediato, a existência de um aerofólio traseiro no centro do capôt, indica-nos que se trata da versão de 1971, apêndice esse já usado em Le Mans no ano transacto por esta mesma equipa.
A versão de 1971, contempla ainda no mesmo capôt duas tomadas de ar inexistentes na versão de 1970. Característico das versões de Daytona, é a curiosa janela criada na capota e mesmo a seguir ao pára-brisas, que ajudava os pilotos a olhar para os característicos banking's daquela pista.
A posição dos tampões dos depósitos é a terceira e última das diferenças existentes entre eles. No primeiro, no de 1970, estes encontravam-se a seguir às grelhas dos guarda-lama frontais, enquanto na versão de 1971, estes desapareceram tendo sido incluído apenas um, do lado direito e entre a porta e o capôt traseiro.
A decoração, é outra questão, apesar de muito pouco ter variado.