sexta-feira, 29 de julho de 2016

Porsche 914 - KilSlot VS Olifer

 A Slot Racing Company (SRC) alinhou actualmente numa inteligente estratégia comercial. A partir de modelos que fazem parte da sua linha de referências correntes, apostou na venda dos mesmos, em duas formas de kit. Uma, em que se torna possível a totalidade da montagem dos mesmos e outra, em que a carroçaria se faz apenas acompanhar dos vidros, faróis e stop's e ainda alguns acessóriso, como fechos das portas, limpa-pára-brisas e fechos do capôt frontal. Mas isto não é linear, pois para além de se servirem de carroçarias que por qualquer razão foram consideradas em não conformidade com o perfeito, também os conjuntos de elementos de que os mesmos se deveriam fazer acompanhar, resultam quase na totalidade dos casos, em falta de um ou outro elemento.
A imagem de cima mostra dois modelos montados a partir de Kit's completos e em que no caso do modelo verde falta o tampão de gasolina que se deveria situar sob o capôt frontal e no modelo laranja, os fechos de segurança do mesmo capôt, não vieram. Mas mostra também um terceiro 914/6 da série mais simplificada. Não existem interiores, nem chassis, nem mecânica.. Mas para a intenção de que irá servir, está perfeito, já que um interior em lexan é tudo quanto se deseja e a mecânica, será a escolhida a partir de um teste que aqui se descreverá.
Actualmente temos vários fabricantes de chassis 3D capazes de potenciar alguns dos modelos que existem no mercado e que de oura forma, não passariam nunca de verdadeiros monos. E poara este modelo da SRC, iremos servir-nos de um chassis da KilSlot e outro nacional, da Olifer. Estamos em crer, que em qualquer dos casos, estes interessantes Porsche 914/6 sairão verdadeiramente beneficiados.
 Na carroçaria verde, apostou-se no chassis Olifer, um chassis algo flexível e que admite mecânica independente do mesmo.Embora este fabricante disponha já de berços de motor próprios, neste caso servimo-nos de um berço de desempenho comprovado da Slot.It. Existe um pequeno constrangimento, já que a sua montagem exige que de um dos lados se corte o excesso de plástico, para que possa assim entrar no rectângulo perfeito que existe para o efeito. A Slot.It no entanto, brevemente começará a editar berços que ali caberão na perfeição, uma vez que o fizeram equipar no novíssimo Alfa Romeo 155 DTM. No entanto, com algum trabalho consegue-se fazer essa pequena transformação nos actuais berços. A Olifer prometeu também vir a comercializar um interior em lexan, específico para este modelo, o que será certamente do agrado de muitos.
E montado o chassis com berço Slot.It e patilhão do mesmo fabricante, jantes pequenas do Ferrari 312 PB à frente e dos modelos clássicos atrás mas ainda sem o dito interior, lá levamos o novo brinquedo para a pista. Servimo-nos para o teste comparativo entre ambos os chassis, da pista de fabrico Ninco com carácter permanente existente no GT Team Slot Clube, em Braga. E com o modelo com as especificações mencionadas e sem basculação entre a carroçaria e o chassis, no primeiro turno de 10 minutos, o cronómetro registaria como melhor volta, 11,94". Ficava no entanto a nota, de que existiu um excesso de indesejados despistes .

Repetia-se a experiência, mas agora servindo-nos do chassis KilSlot. Para além de registar um pêso superior, é também um chassis extremamente rígido. Aqui a opção do patilhão recaía num de fabrico Scaleauto por nos parecer o que melhor se adaptava a este chassis. E porque já havíamos conduzido o outro, a primeira constactação, é de que este tinha muito menos tracção o que lhe conferia uma traseira extremamente solta, muito embora denotasse uma agradável sensação de segurança. No entanto, os registos do cronómetro eram incrivelmente piores. Ao fim de 10 minutos a batalhar, os tempos não surgiam e registava-se como melhor volta, 12,43".
Era então tempo de começar a mexer em cada um deles, para tentar melhorar o seu comportamento e consequentemente os registos do cronómetro.

 A primeira opção recaíu em desapertar os parafusos que ajustam a carroçaria ao chassis, em cada um deles.Mais um turno de 10 minutos com o chassis Olifer e o melhor registo baixou para 11,86", mas sobretudo a agradabilidade de condução foi o que mais sobressaíu. Os despistes práticamente desapareceram, o que era nesta fase a coisa mais importante.

Repetia-se o mesmo na versão laranja, tendo também este melhorado ao nível da sua tracção e segurança, tendo no mesmo período de tempo a rodar, baixado para os 12,24". Era no entanto, por comparação com o seu rival, desapontante a diferença dos tempos entre eles.

Era então importante continuar a mexer em cada um deles, mas sobretudo no modelo laranja, equipado com o chassis KilSlot. Mas a verdade é que o potencial de desenvolvimento da versão Oliver é bem maior, pois ainda não se tinha começado a trabalhar na afinação do berço do motor. O outro fica automáticamente limitado , por não ter sequer a opção de afinação do berço, simplesmente porque ele não existe.
Começou então o apuro na afinação do berço no chassis Olifer. E como não se encontrava equipado com suspensões, conforme se vai desapertando aquele nos parafusos traseiros, resulta num abaixamento da carroçaria relativamente à pista, ou seja, baixa-se o seu centro de gravidade com os consequentes benefícios que daí advêm.
Na versão laranja, aprimorava-se apenas mais ainda, a excelência da basculação do casamento carroçaria/chassis.

914 verde em pista e era notória a melhoria da estabilidade que este ganhara. Começava agora a perceber-se que se deveria partir para outro patamar, ou seja, melhorar a relação pinhão/cremalheira. Mas para que não se mudassem as regras do jogo, esta iria manter-se até ao fim do teste. E como melhor registo, surgia um promissor 11,72"

Os acertos introduzidos no conjunto associado da KilSlot faziam-se igualmente notar, sobretudo num maior agarre da traseira mas também maior eficácia geral nas curvas. Os tempos baixaram também, mas os 12,19" deixavam ainda um amargo de boca, uma vez que a meta dos 11" não era ainda atingida.

O trabalho que parecia encontrar-se no fim do desenvolvimento em cada um deles, era ainda revisto. E enquanto na versão verde se percebia que quanto mais se soltava a carroçaria do chassis, mais o modelo ía melhorando, no modelo laranja, era importante aliviar muito pouco a frente e mais a traseira. E era aí que se dava mais um pequeno toque de aperfeiçoamento.

 O Porsche verde melhorava para uns agradáveis 11,63", o que começa a ser bastante animador, mas que começa também a ser difícil baixar, pois dá para perceber que só partindo para outros campos, será possível uma melhoria da sua optimização.

 12,09" acabaria por ser o melhor registo do Porsche laranja, num forcing na tentativa ainda inglória de se atingir os 11". Mas daqui não será possível espremer muito mais, para além de uma melhor escolha da relação entre pinhão/cremalheira.

Será possível chegar-se a outro desfecho, caso se tratasse de uma pista de fabrico Carrera, onde os chassis rígidos funcionam melhor. Pode ser que nessas circunstâncias até se equiparem ou que até o chassis KilSlot se superiorize, mas neste caso, ficou claro que o chassis da Olifer é francamente mais rápido, mais seguro e até mais agradável.

E após o teste e numa prova dos nove, tornei a rodar com Porsche verde e em apenas 5 voltas, surgia um tempo próximo do melhor registo conseguido durante estes testes, o que bem demonstra a superioridade do chassis de fabrico português e que este, ao que parece, se encontra no bom caminho.

 A minha escolha está feita e desta forma, vou começar a desenvolver mais sériamente um dos modelos que a mim sempre me agradou muito. Permito-me assim, poder desfrutar de uma bela máquina, ao mesmo tempo que o meu ego se vai maravilhando.