sábado, 28 de maio de 2016

As imprecisões de um fabricante de prestígio. Ford GT40 MKII

O Construtor norte americano Ford empenhou-se no ano ano de 1966, numa vitória  nas míticas 24 horas de Le Mans, o que viria a acontecer em forma de vingança sobre a Ferrari, com um histórico desfecho, já que completaria a totalidade do pódio com o modelo GT40 da oval azul.
Mas a verdadeira história havia começado uns anos antes, com o envolvimento da Ford na clássica francesa. Ao perceber a tremenda dificuldade em que se estava a tornar o pretendido êxito, acabaria por formular uma proposta de compra da Ferrari, com o objectivo único de levar de vencida a concorrência ao mesmo tempo que fazia desaparecer a maior das suas ameaças. Perante a recusa transalpina, o sabôr da vingança atingiu o mais alto teor no seio do palato da Ford.
Entregava-se então o projecto GT40 a Carroll Shelby, um profundo conhecedor das máquinas de competição, que tornaria esta versão num modelo de êxito nos anos subsequentes e que se iniciaria justamente com esta tremenda vitória na clássica de 1966, mas também com a glória a ser conseguida no mesmo ano em Daytona, o seu mais predilecto território.
 Foram já vários os fabricantes a versar esta temática no mundo dos slot cars, mas foi para mim muito grato ver a chegada destes exemplares pela mão do fabricante italiano Slot.It. Tratando-se de um dos fabricantes que melhor consegue conciliar o binómio reprodução/competitividade, isto no capítulo da velocidade, é sempre com bons olhos que se recebe uma nova criação oriunda desta marca italiana, o que no presente caso, não se trata propriamente de uma novidade tão recente assim.
Como praticante da modalidade mas sobretudo como fervoroso e apaixonado coleccionador de modelos de slot, dou primazia à qualidade da reprodução de cada modelo, até ao mais ínfimo pormenor. E sabendo que a perfeição é coisa inexistente, haverá sempre algo em que nos agarremos para penalizar o que quer que seja.
E do trinómio de Ford's que completaram o pódio em 1966, a Slot.It brindara-nos já com o vencedor dessa edição, o modelo preto com o dorsal 2. Mais recentemente, fez-nos chegar o modelo que acabaria no terceiro degrau, um GT40 dourado e com o dorsal 5.
E serve a chegada deste agora como pretexto , para uma análise sobre alguns pormenores deste carro e que em minha opinião não se encontrarão tão bem conseguidos.
E poderemos iniciar esta abordagem, pela secção frontal deste histórico modelo da Ford. Embora não muito perceptível na imagem de baixo, as duas tomadas de ar para os travões e que se situam entre a grande boca central para o radiador frontal e os faróis inferiores, encontram-se claramente sobre-dotadas. Exageradas em largura, mas também pouco pronunciadas no seu arredondamento inferior.
Mais grave parece-me no entanto, a forma como é rematada a abertura do capôt frontal, lugar onde se escondia a roda suplente que na altura era obrigatória e que permite ao mesmo tempo a circulação e escoamento do ar que faz o arrefecimento da água do radiador. Na sua representação, esta surge na zona em que existe a pequena lâmina vertical, com um remate absolutamente rectilíneo, quando na verdade deveria apresentar uma curvatura, ainda mais pronunciada do que a da própria frente do modelo. A imagem de baixo permite ver-se como de facto esse pormenor do pequeno capôt é de facto arredondado e não recto como surge no mini-modelo.
A fotografia inferior permite não só observar essa incorrecção de pormenor, mas também o erro de pintura na decoração rosa que embeleza a sua frente. Essa faixa decorativa, não acompanha paralelamente a parte interior dos faróis de cima, tal como se encontra na miniatura. E no que refere à pintura, também esta faixa juntamente com o fino friso branco, deveriam descer bem mais, até  ao limite mais frontal da carroçaria.

As duas imagens que se seguem a preto e branco, juntamente com a imagem que acima se mostra, servem para melhor observar-mos a pequena tomada de ar central existente sobre o capôt traseiro e o erro de terminação das paredes laterais do mesmo capôt, ao nível das cavas das rodas. As suas reproduções surgem incorrectas e enquanto a tomada de ar surge totalmente em plástico transparente ao mesmo tempo que exageradamente alta e larga. as paredes laterais deveriam surgir absolutamente alinhadas na vertical e não com ligeira inclinação para dentro, acabando por permitir verem-se na vista traseira, os pneus.
 Percebe-se aqui que afinal, esta tampa transparente, fixa-se ao capôt por paredes verticais na côr da carroçaria, ao mesmo tempo que deveria surgir substancialmente mais estreita e baixa. Consegue também ver-se que surgem na capota, na parte central e mais recuada, duas fileiras de cinco pequenas grelhas de arejamento do habitáculo. Mas assim não acontece na miniatura deste GT40, surgindo outro tipo de representação para o mesmo efeito.
Também os pilotos iluminadores dos números laterais, ficaram esquecidos.
E se a secção traseira surge correctamente representada, plana e com a parte central rematada com uma rede, de onde surgem ao centro os dois escapes, mais exteriormente, surgem de cada lado dois farolins traseiros, em que na realidade existe um friso cromado a rematar os plásticos de côr vermelha. Na versão à escala, esses frisos são inexistentes, num imperdoável lapso.
Mas um dos aspectos para mim mais chocantes, prende-se com a dimensão das rodas. Claramente dotado na realidade de pneus traseiros de maiores dimensões, tanto em largura como em altura, a Slot.It teima em não acertar com esta representação, apresentando pneus de igual diâmetro à frente e atrás. E quanto a mim, se na miniatura surgem pneus exageradamente largos à frente, já atrás os pneus surgem substancialmente mais baixos do que o que seria necessário.
Mas no geral, temos a certeza de estar perante a melhor das representações até agora chegadas ao mundo dos slot cars, passando estes pormenores, estou disso certo, despercebido à grande maioria dos aficionados da modalidade.
E agora, para que a trilogia fique completa, aguardemos que a Slot.It acabe mais dia menos dia, por nos fazer chegar o segundo classificado desta histórica edição de Le Mans.
E depois, à imagem do que aconteceu com os Alfa Romeo 33/3 do Targa Flório de 1971, que seja editada uma caixa em edição limitada em que seja possível fazer repousar estes três magníficos. Quiçá até, também com o homem da bandeirinha.....