segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Ferrari 250 GTO 1963/1964 - Racer

Em 1963 a Ferrari surgia em Le Mans com uma armada de Ferraris 250 GTO e o modelo com o dorsal 24, viria mesmo a conseguir uma  excelente 2ª posição da geral.
Este belo modelo italiano foi inscrito pela "Equipe National Belge" e foi conduzido por Jean Blaton e Gerhard Langlois van Ophem.
A Racer não perdeu o ensejo para fazer dele mais uma das referência no seu catálogo de modelos editados.
 E como é apanágio deste fabricante, a sua reprodução encontra-se excelente e onde as particularidades do modelo se encontram bem registadas.
 O conjunto jante/pneu são um primôr de apresentação, permitindo uma imagem de alto nível ao conjunto.
 No capôt da frente, esta versão apresenta sobre o lado esquerdo e a partir do meio do mesmo para trás, uma tomada de ar em forma de meia cana e a Racer não descurou esse pormenor.

 Trata-se porventura, de uma das mais bonitas linhas italianas, associadas ao desporto automóvel e a Racer trouxe-nos assim esta valiosa preciosidade ao mundo dos slot cars.

Mas 1964 foi ano de mudança das linhas do 250 GTO, surgindo uma aerodinâmica mais fluída, menos arredondada e mais apurada, mantendo no entanto a mesma sigla. E nesse ano surgiu em Le Mans, dotado da mesma mecânica que equipava o seu antecessor, mas carregado de novas esperanças numa boa classificação à geral. No entanto, não viria a ser tão bem sucedido e o modelo aqui trazido acabaria mesmo com uma desistência.
Inscrito pela North American Racing Team (NART), foi conduzido por Ed Hugus e José Rosinski.

 Mas se a versão de 1963 é muito bonita, pessoalmente considero que esta o é mais ainda. E surgia neste modelo, um avanço aerodinâmico até então nunca visto. Na extremidade posterior da capota, a mesma transforma-se num mini aileron, um apêndice aerodinâmico que obrigava a que o escoamento de ar se orientasse de modo a criar um aumento da força de cima para baixo, sobre a traseira.
A sua traseira serviu por certo como fonte de inspiração para o 250 LM, já que as suas formas não se distanciam tanto assim.

 É de facto um modelo magnífico e que não deixou também a Racer indiferente. Em boa hora o terá feito, pois trata-se também de um dois ícones da marca italiana, embora o seu êxito desportivo tivesse ficado aquém da versão de 1963.
Mas ficaram mais enriquecidas as colecções de slot car e não se descura também a possibilidade de devotar ambos os modelos aqui mostrados à competição, já que os mesmos se equipam com chassis equivalentes e em plástico e ainda dotados de mecânica de origem Slot.It.
 E haverá alguém que consiga ficar indiferente a tão soberba linha?