quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Na senda dos Grupo B

 Os modelos réplica dos verdadeiros Grupo B chegados à escala 1/32 ao mundo dos slot car, começa já a ter um inegável interesse, tanto quanto à qualidade estética, como até quanto às suas capacidades dinâmicas para a competição nos ralis à escala.
 Altamente belos alguns, não deixam contudo um certo amargo de boca outros, pela inoperância para o mundo para o qual nasceram. São os casos das extraordinárias réplicas proporcionadas pela Fly, mas que nos frustram de todo, já que se encontram completamente incapacitados de confrontos com outras marcas de fabricantes rivais.
 Valem-nos no entanto outtros fabricantes como a MSC, que a par de também belas reproduções que nos disponibilizam, as suas máquinas ainda nos enchem o olho no capítulo das suas dinâmicas.
 A SCX ocupará um patamar intermédio, já que nos proporcionam belas reproduções quase ao nível dos melhores, mas por se encontrarem aprisionados por uma política muito própria que os torna modelos únicos no campo das apostas mecânicas, disponibiliza modelos muito praticáveis e agradáveis, mas que quando em confronto directo com os modelos de ponta, acaba por lhes faltar a estaléca que se pedia.
 O mais recente dos fabricantes, a OSC, parece que veio para surpreender. Ao que parece, conseguem somar à sua inegável extraordinária criação, um rendimento dinâmico verdadeiramente surpreendente, o que levará os praticantes a terem que superar a questão monetária, para conseguirem fazer a sua aposta num dos modelos deste fabricante. Para já único, o Peugeot 205 Turbo 16 parece ter para breve a segunda referência. E se é sempre bom sabermos que chegará mais um modelo, melhor é sabermos que este irá ser o Lancia Delta S4. Que bela máquina. A SCX já o fez, mas este virá certamente carregado de maior dinamismo



 Lancia Delta S4, lembrado pelas melhores e piores razões. Este terá sido mesmo o modelo que acelerou a extinção deste tipo de modelos no Mundial de Ralis, após a morte do fantástico piloto H. Toivonen.
 MG Metro, um modelo que nunca se soube impor verdadeiramente, mas que a sua imagem deixou marcas acentuadas nesta classe dos ralis.

 O Audi Quatro, o bombardeiro, com a inclusão da tracção às quatro rodas no mundo dos ralis, veio a revolucioná-lo.


 Disparidade de estilo, todos como mira no título do Mundial de Ralis.