domingo, 20 de dezembro de 2015

3 H Resistência TT - Meta Clube - GT Team / ART foi equipa vencedora

Decorreu ontém nas instalações do Meta Clube em Guimarães, uma resistência TT com a duração de 3 horas.
Com um total de sete equipas, recorreu-se ao habitual método das calhas virtuais, o que vai baralhando sempre de alguma maneiras, as contas dos resultados finais referentes a cada uma das equipas.
 E o pontapé de saída acabaria por calhar a duas equipas de Guimarães, uma delas a da casa e às duas representantes bracarenses presentes e que representavam o Clube GT Team.
Acabaria este início de prova por penalizar a equipa da casa, já que o seu Bowler acabaria por ser afectado por algumas falhas de contacto eléctrico, o que permitia e abria caminho às equipas bracarenses para brilhar nesta calha de abertura, mostrando que os Schlesser ali se deslocavam com clara ambição de se baterem de igual para igual com os fantásticos e habituais dominadores da categoria T2 e que têm sido os Bowler.
Claro poder de concentração era demonstrado por todos, quando ocupavam o papel de verdadeiros pilotos que se lhes exigia por parte de cada equipa. Enquanto isso, Nuno Aguilar fazia de fantástico "relatador" dos acontecimentos que íam ocorrendo no decorrer das mangas.

A organização esteve em excelente nível e a pista de traçado muito interessante, continha as suas ratoeiras e que acabam por ser o sal e a pimenta destas lides do mundo dos TT. Salientar que a organização conseguiu um cumprimento de horários que acabaria por permitir até uma pequena lancharada pelo meio, que permitia ao mesmo tempo aumentar o caloroso convívio com que se viveu esta jornada.. É que se por um lado a luta na pista era intensa, fora dela a relação humana sobressaía igualmente pela positiva.



E se no capítulo organizativo o "Meta Clube" esteve em grande, no desportivo não esteve atrás, já que acabaríamos por assistir a uma verdadeira guerra de nervos neste fecho de prova. Meta Clube e GT Team/ART, partiam para a última calha em disputa com o mesmo número de voltas, mas em calhas absolutamente opostas, com a vantagem posicional a pertencer aos bracarenses. E se Rui Castro fazia das tripas coração e lá ía aguentando como podia o ritmo imposto por Augusto Amorim, quando este último apertou mais ainda a sua cadência, o rival vimaranense dar-se-ia irremediavelmente por vencido, acabando ambos a calha com uma vantagem de três voltas para a equipa forasteira. A terceira posição viria a ser conquistada pela equipa do Porto "MP Team" que com os pilotos Márcio Teixeira e António Pina, conseguiam também surpreender com extraordinário ritmo no seu também fantástico Bowler. César Amorim e Nuno Aguilar, pilotos que integravam a segunda equipa bracarense e fazia parte da "ART/GT Team" e tripulando um Schlesser, viriam a ocupar o quarto lugar final, demonstrando igualmente um andamento e ritmo muito rápido e seguro.
No final e para a posteridade, ficou a foto de grupo com a totalidade dos membros participantes em mais uma mini-maratona que preencheu mais um sábado de boas emoções e muito bem passado.
 No pódio dos modelos, parece que pela primeira vez neste clube, os Bowler foram arrebatados do primeiro degrau, por troca com  aquele que parece vir a rivalizar sériamente com este dominador da categoria T2.