quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Campeão de Espanha - Porsche 959 Challenge, nasceu em Portugal

 As finais nacionais de Espanha receberam este ano de 2015, um novo troféu associado à categoria destinada aos modelos de TT. O recém chegado Porsche 959 da Scaleauto, foi assim alvo de um troféu em que os modelos teriam que obedecer às especificações originais, mas onde se abria mão para algum trabalho para aqueles que gostam de acrescentar uma pitadinha à potencialidades originais dos modelos.
E a caravana de participantes que integraram a formação do GT Team Slot Clube / ART, disposeram-se a uma participação também, neste desafio promovido pela própria Scaleauto e onde o fabricante se encontrava representado na competição, oficialmente.
 Trazemos aqui o que foi em Braga trabalhado, no sentido de melhorar um modelo cuja distância entre eixos se mostra extremamente curta, mas que lhe permite uma boa transposição de lombas e obstáculos.
E a pista era composta por estes elementos, ao que se acrescentou ainda a simulação de areia, através da aposta em farinha.
A preparação teve em vista este somatório de dificuldades que se adivinhavam. O modelo traz originalmente, suspensões pouco activas pela extrema dureza das molas com que a totalidade dos mini-modelos vêm equipados. Foi essa então, a primeira tarefa/objecto, a ser alvo de alteração. Tanto atrás como à frente, as molas foram substituídas por outras, sendo que as anteriores passaram a ser substancialmente macias. Dessa forma, o primeiro impacto com os obstáculos será fácilmente absorvido, enquanto as posteriores, um pouco mais duras, permitem ao mini-modelo o poder de tracção que se deseja.
 Motor e relação pinhão/cremalheira foram mantidos. O pequeno motor mostra-se pujante enquanto a relação de 12 x 31 não se considera desajustada.
Um dos problemas que este Porsche passou a ter com as molas que passaram a permitir uma maior amplitude das suspensões, é as rodas passarem a bater nas cavas, sempre que estas sobem. Assim, houve necessidade de estreitecer os eixos, permitindo dessa forma que os pneus entrem nas cavas dos guarda-lama. Essa tarefa é simples, porque os espaçadores utilizados pelo fabricante são de plástico. Com uma lima, é possível estreitecer um desses espaçadores, até à medida necessária, passando o eixo a trabalhar livremente, até ao seu limite.

 No apoio de aperto do chassis frontal. terá também que se criar um pequeno degrau. Isto porque a frente é bastante baixa e as rodas continuarão a bater na carroçaria, se não lhe criarmos uma altura extra. Feito isto, teremos um eixo frontal absolutamente livre e capaz do melhor dos desempenhos.
A tracção feita ao eixo posterior já vem de série com correia dentada, mas à frente mantém-se a borracha lisa habitual nos modelos deste fabricante. Poder-se-à melhorar o seu desempenho, através da opção de polies dentadas e correia igualmente dentada, algo que o regulamento em Espanha não permitia.
 Outro dos aspectos que permitem um aumento de performance, prende-se com a utilização de lastro. Neste caso, o pouco espaço disponível foi totalmente aproveitado, desde a parte mais inferior e quase até ao nível superior, através de algumas camadas de pêsos.
Braço basculante e patilhão, foram mantidos absolutamente inalterados, dada a eficácia dos sistema original. Apenas ouve o cuidado de pôr a basculação perfeitamente funcional, através da limpeza de algumas rebarbas que não permitiam que o mesmo baixasse livremente.

 Na colocação dos lastros, houve o cuidado de manter papel interposto entre o lastro e o braço do patilhão, para que os fios que percorrem o braço não acabassem por prender na cola que originalmente se encontra no lastro. Garante-se assim a manutenção dos fios onde os colocarmos.
 E verificado na balança, fica o registo de 107,2 g e que é o que este conjunto passou a ter e que será parte integrante do êxito algo inesperado por terras espanholas.
E já que fomos abordados por nuestros hermanos para deslindar o segredo desta máquina, achamos por bem mostrar a toda a gente o segredo para um sucesso levado a cabo pelos dotes inatos  de Luís Azevedo, um excelente piloto que integra a formação bracarense do GT Team.