quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Campeonato GT Superacing Scaleauto - Segunda prova

Decorreu a segunda prova, cujos protagonistas são os modelos GT do fabricante Scaleauto, numa organização a cargo do GT Team Slot Clube.
Presentes, a nova e a velha gerações mas sobretudo e ainda, a presença de um antigo praticante mas à muito ausente, mas verdadeiro aficionado, o grande companheiro, Sr. Campos.


E à semelhança da primeira jornada, o modelo Honda foi o maior representante, tendo comparecido um BMW Z4, pela mão do regressado, Rui Mota.
E tal como tem acontecido em anteriores provas, havia que contar com a verdadeira irreverência do jovem David Fernandes, a demonstrar nas suas últimas participações, uma valência absolutamente notável.

As nossas promessas, mantêm uma constante e contagiante animosidade.
E o ambiente periférico não lhes fica atrás, o que permite um sempre agradável e salutar ambiente de convívio.

E a prova lá decorreu, sempre com excelentes desempenhos por parte de Paulo Mendes, Augusto Amorim, David Fernades, Ricardo Ferreira, Luís Azevedo, Marco Silva, David Azevedo. Mais para trás, ficavam César Amorim, Amilcar Monteiro (Mika),  Rui Mota e Carlos Campos, a debaterem-se com algumas dificuldades para conseguirem acompanhar o ritmo dos primeiros.

Paulo Mendes parecia adivinhar que viria a ser aquele que melhor riria no final.
E a boa disposição de Rui Mota e Paulo Mendes estava presente.
Marco Silva, um piloto vimaranense, começa a mostrar-se como uma promessa na disputa de futuros pódios.

As máquinas em presença...
Até houve quem precisasse de dois punhos....



E a luta manteve-se até ao final, com Paulo Mendes, David Fernandes e Augusto Amorim a manterem a classificação em suspense até ao fecho da prova. Viria a sagrar-se vencedor o primeiro por uma volta de vantagem, enquanto a diferença entre segundo e terceiro se fazia apenas por alguns metros. David Fernandes comprova uma vez mais a sua mais valia enquanto piloto mas também como preparador, já que começa a mexer nas suas máquinas de modo a poder discutir os lugares cimeiros. Mais um segundo lugar, impond-se a uma armada de mais nove pilotos.


E dada a ausência de David Fernmandes no final da prova, foi Rui Mota que fez as suas honras para a fotografia da posteridade.