terça-feira, 20 de novembro de 2012

Razões para gostar dos SCX

Confesso que a Scalextris / SCX, é a minha marca de Slot Cars, preferida. Não são modelos de ponta, não são os modelos melhor reproduzidos e também não são os modelos mais baratos.
 O que me levará então, a sentir-me arreigado a uma tecnologia que deixa a desejar nos tempos que correm? Desprovidos de acessórios de última geração, estes Slot Cars cujas cremalheiras e jantes continuam a ser de plástico e a inexistência de material calibrado, é pura realidade.
 Providos de sistema de luzes e interiores com algum detalha, deixam assim de fugir aos mais recentes conceitos de leveza. Motores longe das mais actuais performances e pneus cuja eficácia não poderá ser comparável às mais actuais necessidades, levam estes carritos e situarem-se em patamares que os puristas da velocidade os rejeitarão.
 Mas então, quais serão as razões que me levarão a aprecia-los e a fazer deles o que de mais interessante se fabrica hoje?
 Na verdade, um pouco de toda essa falta de acompanhamento dos mais recentes conceitos, acrescido de algum rigor de maquetagem à escala e a uma insistente teimosia em inovações de cariz básico. Uma tremenda teimosia em abarcar um sem número de categorias e alguma ineficácia dinâmica, o que proporcionará de algum modo, uma eficiência à escala e muitas vezes a condizer com o tipo de modelo e respectiva época. Velocidade à escala, é algo de que a concorrência tem dificuldade em recriar.
 Não poderia conceber que um Citroën 2CV tivesse um comportamento equivalente ao de um Mercedes-Benz SLS da Scaleauto.
 Não poderia perceber que um Renault 8 Gordini se batesse de igual para igual com um Capri da Sideways.
 Ou que um Citroën DS tivesse o mesmo desempenho dum MG Metro da MSC. Não, nesse caso estaria o Slot muito mal, se tudo se desenvolvesse pela mesma bitola de rapidez e eficácia.
 São carros de difícil comportamento e de motorizações de fraco desempenho, dirão. É verdade, mas encontra-se aí, alguma da sua mística e verdadeira característica, aliada ainda a modelos que só eles se lembram de nos fazer chegar.
 O saudosismo que me trazem, é outro dos factores que valorizo. Quem da minha geração não tem ainda gravado em memória, imagens dos fantásticos Alpine Renault A110?
 E dos R8 Gordini?

 ou do mais recente R5 Maxi Turbo?

 E os fantásticos Talbot? Esta infinidade de modelos de tracção traseira marcaram várias épocas de ouro do Mundial de Ralis. Mas as suas reproduções são brilhantes usufruindo ainda do complemento luminoso de que são dotados à frente e atrás e que lhes proporcionam alguma graça e realismo acrescentado.


 E o espírito inovador da SCX, de quando em vez faz-se  notar. O Citroëdn 2CV  Sahara é um desses exemplos.
 Embora de condução extremamente delicada, faz jus a um histórico modelo de tracção 4x4 de que a SCX bem soube tirar partido. Dotando-o de um motor com dois pinhões numa ténue simulação do bimotor que na realidade representa, adoptou um sistema de desmultiplicação que lhe aumenta a força em ambos os eixos. Mas naquele pequeno espaço, conseguiram ainda dotá-lo de um patilhão basculante que lhe permite alguma vantagem em terrenos de alguma sinuosidade.

 Mas a Citroën viu uma série de modelos seus retratados, como foi o caso do mais pequeno C2 e do extraordinário e gigante, DS 19.
 O modelo Xsara foi aproveitado também para uma série especialmente desenvolvida para ralis.


 A Fiat foi das marcas que viveu grandes êxitos no mundo dos ralis e a SCX fez questão de perpetuar algumas dessas máquinas. O 124 Spyder é um desses exemplos.

 O extraordinário 600 Abarth, não poderia ter sido esquecido.

 Assim como o modelo 131 que durante várias épocas se manteve na crista da onda ......

 Se os ralis constituem um dos fortes deste fabricante, as restantes modalidades têm-se mantido presentes, como é o caso da Formula 1.


 E modelos históricos não foram também aqui esquecidos, como é o caso do Lotus 79 "John Player Special".

 As mais recentes criações do Mundo da Formula 1 são também lembrados, a par de outras produções mais antigas.


 O Sigma é um dos projectos que não chegou a conhecer a realidade da competição, mas que pela execelência da sua idealização, a SCX não deixou cair no esquecimento esta página da revolução dos automóveis de competição.
 Modelos antigos e reedições, têm feito parte dos seus lançamentos.






 Bugatti EB 110 e Audi 90 Quattro IMSA, foram-nos também trazidos para as pistas de Slot. E tanto um como o outro, encontram-se dotados do sistema de tracção integral por pinhão em ambos os eixos, em mais uma das inovações trazidas pela SCX para o mundo do Slot. No entanto, foi no mundo dos TT que este sistema mais aprovou.



 E no capítulo dos Todo Terreno, a adopção de desmultiplicação torna-os como os mais poderosos modelos de Slot na transposição de obstáculos de dificuldade elevada. A aposta em suspensões e ainda num braço basculante, são outras mais valias de que se podem orgulhar terem sido também pioneiros. Este espírito inventivo que nos vão proporcionando, são de facto aspectos que me vão maravilhando e me obrigam a saber respeitá-los enquanto fabricantes de modelos de Slot.



 Algumas séries "Vintage" como este Mitsubishi Pajero fabricado segundo os mesmo princípios que nortearam as produções da época, tornaram-se modelos de valor acrescentado. Acabou por ser um verdadeiro mimo proporcionado pela fabricante, aos seus mais fieis coleccionadores.

 A Seat é uma das marcas que tem estado bem representada neste fabricante, passando pelos brutais modelos até aos mais simples carros de troféu.






 O piloto português Tiago Monteiro, foi um dos beneficiados por esse facto, tendo visto o seu Leon do WTCC editado.

A Toyota viu também a integração de Carlos Sainz no seu seio, servir de pretexto para virmos a beneficiar desta máquina nipónica por parte da SCX.

Também Rui Madeira viu chegar o seu Corolla ao nosso meio.

Modelos de Turismo, DTM, GT, Sport Protótipos, Super Carros, Nascar, Rali, Clássicos, Formula 1e até de TT, são abarcados por este ímpar fabricante de modelos de Slot, que com a sua diversidade, com facilidade preenche o imaginário de muitas crianças. E até nisto, conseguem mais uma nota positiva, pois a maioria de nós, foi através deste fabricante que chegou ao expoente que cada um conseguiu atingir.










 Os Super Carros são modelos não esquecidos, embora se possa pensar neles como mortos à nascença, pela falta de lugar onde os possamos enquadrar, mas mesmo assim, não ficam esquecidos.

Alguns acontecimentos registados pelas marcas, são também perpetuados por este fabricante.

 Os Sport Protótipos foram sempre acarinhados pela SCX, que lhes garante um lugar de eleição.


 O mundo dos Ralis é preenchido com modelos de enormes glórias, como é o caso do fantástico Delta S4 da Lancia, mas que neste caso só possível de aquisição através de fascículos de quiosque.
Séries especiais como este 600 Abarth comemorativo do 40º aniversário deste fabricante, fazem também parte das suas edições.

A Subaru, desde os tempos em que Carlos Sainz militou na marca, tem estado bem representada neste fabricante espanhol.

O incrível Valentino, viu também a edição do Subaru com que participou na Nova Zelândia, chegar às nossas pistas.
Por todas estas razões, guardo este nome num cantinho muito especial, das minhas melhores recordações do Slot.