sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Brooklin - Ford A

Como é já sabido, a Brooklin é uma marca fabricante de modelos estáticos à escala 1/43, cuja temática assenta na aposta em modelos exclusivamente americanos. Ainda que a verdadeira aposta recaia quase a 100% em modelos datados entre as décadas de 50 e 70, surgiram algumas apostas que fogem dessa regra. São os casos das três versões editadas do modelo A da Ford.

Mas foram das primeiras referências deste fabricante e como tal, existem séries oriundas do Canadá e outras já de produção europeia. Foram então editados do modelo A, as versões "Tudor", "Sedan" e "Coupé". A imagem de cima mostra justamente esses três modelos, sendo o verde e preto o Coupé (BRK 5A), o castanho e preto o Tudor (BRK 5) e verde e bege o Sedan (BRK 3). É sabido que na época, a qualidade demonstrada por este fabricante, muito deixava a desejar, mas conseguindo impor-se no mercado de modo muito pouco comum. Sem grande qualidade e de uma fragilidade impressionante, estes carrinhos só poderiam ter durado até hoje, por extrema devoção dos coleccionadores, seus verdadeiros amantes.
Nestas imagens mostram-se então agora os modelos Tudor (esquerda) e Sedan (à direita), numa demonstração da qualidade apresentada nos anos 70, pela Brooklin. Referir que se trata este modelo "Tudor", de uma produção canadiana. Os seus pneus são pintados, já que não se trata de borracha mas do mesmo material de que é feito o restante modelo. Claro que atinge hoje cotações proibitivas, muito longe do modelo "Sedan" cujo molde sendo já inglês surge com a produção dos seus pneus em borracha e uma cotação bem mais acessível, apesar de atingir já também valores bem interessantes.
Nesta imagem frontal de ambos, dá claramente para perceber o quanto eram deformadas e empenadas estas carroçarias, pára-choques, faróis, .... Aqui não existem simetrias e os empenos que são banais, são absolutamente perceptíveis a olho nu. Mas o modelo castanho e preto, possuidor de pára-choques algo mais finos, encontra-se muito mais propenso a estragos humanos.
Os mesmos defeito são facilmente reconhecidos na secção traseira dos modelos. E a sua extrema fragilidade é dos motivos de maior preocupação aquando do seu manuseio por parte dos coleccionadores. E apenas estes são reconhecidos como capazes de com eles lidar, pois indo parar a mãos alheias a probabilidade de voltar com deformações é de um crescimento exponencial, em função da classe etária, sensibilidade para a matéria ou apenas interesse e vocação. 
Lateralmente será onde essas características menos se fazem notar.
Mas esta fase da Brooklin, de modelos com pouco rigor histórico e de moldes de bradar aos céus, fazem parte da valiosa história deste fabricante e faz destes modelos peças valiosas e o orgulho dos seus possuidores.
O Ford A da esquerda, é uma das raras peças que os apaixonados por este fabricante procuram a todo o custo encontrar. Existem ainda deste modelo outras séries em que a variação se faz pelas cores, mais ou menos valiosos, mas qualquer que seja a variação da versão "Tudor", trata-se sempre de um tesouro.
Hoje a política de construção da Brooklin é um pouco mais apurada, apesar da aposta nos mesmos alicerces que sempre pautaram e nortearam os seus princípios de fabricação. O zamac, matéria de grande fragilidade, continua a ser a matéria prima para os seus modelos, permanecendo também o metal branco na simulação de faróis e stop's, posteriormente pintados se for caso disso.
 Mas a prova da sua evolução mostra-se por exemplo neste SET comemorativo dos seus 25 anos, onde o Pierce Arrow surge já como uma excepcional reprodução. Passou a ser corrente, surgirem puxadores das portas e limpa-pára-brisas por exemplo, como acessórios colocados posteriormente, deixando de ser representados como fazendo grosseiramente parte do molde geral da carroçaria.
Embora longe do brilhantismo e rigor a que fabricantes da actualidade chegam, nota-se também aqui a chegada de novos tempos. Mas a mítica da Brooklin, mantém-se...........