quinta-feira, 31 de março de 2011

Porsche 911/997 - NSR - A crítica


Comparando as imagens, constacta-se que são inúmeras as incorrecções existentes.
 Tratando-se a NSR de um dos fabricantes que privilegia no imediato as performances dos seus modelos, este modelo da Porsche não abandona a sua linha orientadora, o que nos deixa perante um modelo de extraordinário desempenho dinâmico, sobretudo nas pistas Ninco.
 Tendo sido este o seu primeiro projecto verdadeiramente vocacionado para os ralis, o seu chassis vem equipado com o já conhecido sistema de patilhão basculante, o que adivinha-se, venha a torná-lo num terrível dominador na classe onde possa vir a estar integrado.
Mas se no campo dinâmico este fabricante tomou já o seu lugar como uma das referências mundiais, na questão dos acabamentos e originalidade das linhas, continua a deixar muito a desejar.
A tampografia continua incompreensivelmente  a ser um horror, sobretudo quando comparada com a excelente qualidade que começa a ser apresentada pela concorrência. Desacertos e muitos espaços da carroçaria a ficarem em branco, são uma constante na NSR. Excesso de verniz e grande quantidade de impurezas na tinta, são outras realidades.
Em torno das faixas azuis, verificam-se muitas zonas a branco, dos contornos das portas, das embaladeiras, das tomadas de ar, enfim, uma falta de qualidade que poderemos mesmo ironizar com a expressão de espanto, isto já não se usa!
De aspecto geral muito interessante muito embora não haja uma real correspondência entre o minimodelo e o modelo verdadeiro ao nível das suas linhas, não deixa no entanto este, de se tratar de um bonito Porsche com uma imagem verdadeiramente agressiva.
 Tanto na imagem de cima como na de baixo, verificamos um aileron digno do mais barato brinquedo da "loja dos 300". De linhas mal definidas e carregado de rebarbas, vem certamente pior do que o mais reles Kit que possa existir no mercado.
 Na imagem de baixo, pode observar-se que as faixas laranja e azul, não se encontram devidamente centradas, tendo sido desviadas para a direita. Também se encontram descentradas as cores amarela e vermelha do logo "Tintas 2000", relativamente à parte azul da totalidade do símbolo.
Haverá pois cuidados a que a NSR terá que apostar numa melhoria qualitativa, pois implica uma imagem de descuido absoluto, já que nos encontramos numa fase em que o êxito impõe que se faça melhor que a concorrência para que não se seja aglutinado na guerra de mercados.
Para já, o gabarito comportamental conseguido pelos seus modelos consegue abafar estes aspectos menos interessantes, mas nunca se sabe como se desenvolvem nem o rumo que os mercados tomam, o que certamente apontar a batuta pela máxima de que mais vale prevenir do que remediar, será o melhor caminho.