segunda-feira, 21 de março de 2011

Porsche 959 - MSC

O modelo 959 da Porsche, acabou por ser uma das referências da marca, durante alguns anos.
Provido das maiores tecnologias da indústria automóvel aquando do seu lançamento, vinha equipado com duplo Turbo e tracção às quatro rodas, situação nada comum na época, em modelos de alta performance.
Desde logo considerado pela marca como um polo tecnológico, procedeu-se ao seu aproveitamento para fins desportivos, tendo a marca apostado nas mais carismáticas e exigentes provas mundiais, apostando em participações tanto em Le Mans como no Paris-Dakar.
O modelo base em versão protótipo foi apresentada ao mundo, com este aspecto.
 Pela imagem que cima se observa, pode ver-se que o modelo protótipo era tão baixo, que a seu lado o Porsche Carrera GT, parece alto.
Em baixo, o mesmo modelo que manteve as principais características, mas já na sua definitiva versão cliente.
 E da versão cliente para os modelos desenvolvidos para a maratona africana, pode reparar-se no extremo desenvolvimento que o 959 sofreu.
E 1985 vê pela primeira vez o 959 na edição do Paris-Dakar, obviamente munido dos recentes ensinamentos adquiridos pela vitória da Porsche nesta prova em 1984, mas através do modelo 911. Mas todos os ensinamentos adquiridos não foram suficientes para levar de vencida pela segunda vez e primeira com este modelo, nesta exigente maratona.
Em 1986 apostam nas 24 Horas de Le Mans onde recebeu a designação de Porsche 961 e foi inscrito na Classe GTX, vindo a vencê-la e a classificar-se numa extraordinária 7ª posição da geral. O êxito foi suficientemente animador, para a Porsche fazer nova investida e novo desenvolvimento sobre este prometedor modelo, apesar das dificuldades de que os pilotos se queixaram quanto às exigências de condução, provocadas sobretudo pela tracção integral.
 E assim, para 1987 nova aposta no 961, apresentando um modelo sob as cores oficiais da Rothmans, mais largo e mais potente.
Mas contrariamente ao anterior desenvolvimento, problemas de vária ordem acabaram por ditar o abandono deste aliciante e prometedor modelo e que veio mesmo a ditar o abandono definitivo do mundo da competição.
Mas o êxito maior esteve reservado para o Paris-Dakar de 1986, onde pela segunda vez na sua história, o nome Porsche é gravado na lista dos vencedores, mas agora com o modelo 959.
E embora o modelo 959 tenha já sido trazido para as pistas de Slot numa produção SCX, em modelos que incorporavam a tracção integral, acabaram por ser reproduções do modelo de série, mascarados através de decorações, em modelos de competição.
Agora, o fabricante MSC propõe-se trazer também até ao nosso mundo, este símbolo da competição automóvel. As opções recaem tanto no modelo de série, como na versão vencedora da maratona africana. Para tal, adiantou já na última feira mundial de Nurembergue, imagens dos seus protótipos já em fase bastante desenvolvida.
Mas quanto à carroçaria mostrada, podemos adiantar que se refere apenas à do modelo de série em versão cliente, não tendo apresentado qualquer imagem relativa ao modelo de competição, já que a realidade nos diz que são imensas as divergências entre ambos. Assim, esperemos que para a realização do modelo de competição, não cometam o erro do aproveitamento da mesma carroçaria. Caso venha essa hipótese a prevalecer, estaremos perante um grosseiro e inqualificável erro.
Foi-nos então também mostrado o protótipo do chassis que equipará estes 959. Mas várias questões se tornam aqui pertinentes levantar.
Tal como foi mostrado, o modelo em versão base, é bastante baixo. Mas se reparmos na construção do chassis projectado, será de todo impossível encaixar esta carroçaria neste chassis, não permitindo esse visual de modelo de baixa altura ao solo, provocado pelo exagero dos apoios superiores dos amortecedores, já que se encontram demasiado elevados e bateriam na parte interior dos guarda-lama. Por essa razão, imagino que para a versão civil, este venha a ser equipado com um chassis Monte-Carlo por exemplo, para não falar na possibilidade de um chassis desenvolvido à sua medida.
Engenhoso e de bela concepção, este sistema de suspensão, permite tanto a regulação da altura do modelo, como o aumento da dureza dos amortecedores. Assim, é perceptível o verdadeiro efeito e proveito que deste conceito se pode tirar partido.
Mas pelo diferencial perceptível a olho nu entre a altura do pneu e o limite superior do topo dos amortecedores, parece algo continuar errado, pois a elevação a que o modelo 959, réplica do Dakar, será obrigado a ter, levará a que concluamos rapidamente que daqui resultará sempre em algo exageradamente irreal, pela elevada altura com que este ficará, sobretudo na diferença entre o limite superior do pneu e a cava da roda.
Poderemos ainda afinar o ângulo de absorção do impacto da roda relativamente aos obstáculos. As vantagens parecem imensas quando comparadas com todos os anteriores desenvolvimentos nesta matéria, não fossem estar em causa as questões aqui mencionadas.
Podem observar-se as furações nos amortecedores, de forma a permitir a compressão ou descompressão da mola que compõe o conjunto das suspensões.
Apesar de tudo o que de positivos possamos tirar de todo este projecto, parece-me que sobretudo, nada ficará direito. A menos que nos consigam surpreender, com mais alguma cartada tirada da manga.
E já agora, uma cartada bem tirada, era produzirem também o 911, que afinal foi o primeiro Porsche a atingir o ponto de chegada na primeira posição, no ano de 1984 ........